Bom dia, gente! Tudo bem?

Ontem participei de um evento muito bacana, organizado pelas superprofissionais e amadas As Patrícias e Pati Leivas, pra apresentar a nova fase, proposta e as mudanças da TOK, marca gaúcha querida e superconceituada no mercado, à imprensa e formadores de opinião convidados.

IMG_4053

No formato de um fashion mob,  modelos vestindo looks da nova coleção outono/inverno da marca circularam e interagiram entre os convidados de forma natural, até despercebida por alguns, e em seguida desfilaram as peças(que já se tornaram desejo) para o público presente.

12804749_1799808260240350_2980101846426767287_n

TOK, prestes a completar 40 anos, se reinventa, se recria e agora abrange um novo público, mais maduro, mais exigente e mais antenado. E essas mudanças podem ser vistas claramente  na nova coleção, que vem com mais informação de moda e desfaz o estigma de que a marca é apenas para adolescentes. A nova TOK agora veste uma mulher de atitude e personalidade.

12803169_1799808310240345_3804663557322815240_n

Nesse outono/inverno, a marca traduz os múltiplos interesses femininos, sem limites de idade, classe social ou convenções de estilo, para uma moda real, versátil e livre, mantendo a essência que a fez querida entre as gaúchas.

12814124_1799808263573683_8443210494627694633_n

A coleção está dividida em duas linhas, uma mais folk, com um toque boho e setentista e outra mais urbana, com fortes referências dos anos 90. E, como já é tradição, o destaque são as peças em jeans, o tricô, a alfaiataria e as estampas exclusivas da marca.

Prints étnicos, florais, franjas, kimonos, ponchos, casacos mais pesados, muita flare, veludo, suede, verdes, bordôs e terrosos, batas, túnicas com amarrações, bordados e aplicações que remetem ao handmade e os vestidos soltos de shapes alongados são os elementos que compõem a primeira linha, que arrancou suspiros durante o evento.

240216-gucci-oi-1617-02

Já a 2° linha é mais urbana e sofisticada.  Dos anos 90, recorrente nas inspirações das passarelas internacionais, a  TOK elege dois momentos: o minimalismo com sutilezas românticas e a linha clean de aroma esportivo.

Na primeira, a alfaiataria surge ajustada, contornando com elegância as curvas femininas, sempre incrementada por detalhes de suavidade, como babados e laços nas golas de camisa. Tricôs extra finos e com toque suave complementam esse closet ao lado de calças de corte ajustado, práticas para inúmeras ocasiões, inclusive o cotidiano profissional.

Do minimalismo mais esportivo, chegam os vestidos tubo, as jaquetas jeans, os tops amplos com recortes estratégicos, os tricôs pesados com capuzes e mangas-luva. A cartela é neutra, com cinza, preto, bordô, nuances de nude e branco em evidência.

unnamed (1)

Dentro dessa mesma linha, a TOK também aposta em um visual mais pesado, sem perder a sofisticação, em uma linha gótico-rocker, com malhas estonadas, jeans escuros, vestidos tubo de comprimento mídi, vestidos alongados com barras assimétricas, costas à mostra, recortes estratégicos, efeitos de tiras e listras. Rendas se unem à malharia e ao jeans.

Nessa linha o shape é mais justo e alongado, em uma cartela de cores básicas – e sempre elegantes. Esse, sem dúvida, foi o estilo que mais gostei. Usaria todas as peças apresentadas dessa proposta e, inclusive, estou querendo/sonhando com vários looks que vi. Adoro essa pegada bem urbana e marcante, sabem? Pra mim é a que melhor reflete a mulher atual, independente, forte e ousada.

unnamed (2)

Claro que com esse novo conceito os preços aumentaram um pouco, porém continuam acessíveis, e a qualidade dos materiais e do design das peças melhorou muito, o corte está impecável e as modelagens diferenciadas. Pra mim, isso já justifica o aumento nos preços, pois ninguém merece vestir uma peça mal feita ou que não tenha durabilidade só por ser bonitinha, né?! No momento em que vivemos, consumo consciente é fundamental!

12805742_838558482921398_8707605419663774991_n

Agora me contem, o que acharam da nova TOK? E com qual linha se identificaram mais?

Beijinhos 😉

Fotos: Divulgação e Andréa Graiz